Distância

distância 19.0km

Duração

duração 5:00h

Percurso

tipo de percurso circular

Dificuldade

grau de dificuldade difícil

Desnível acumulado

desnível acumulado 766m

Altitude máxima

altitude máxima 643m

Altitude mínima

altitude mínima 264m

ligar / desligar camadas no mapa

Balizas de Socorro
Alertas
O que visitar

legenda

tipos de baliza de socorro:

meios terrestres

por meios aéreos

tipos de percursos:

percurso socorro meios 4x4

percurso socorro a pé

PONTO GEOCACHING - INICIO/FIM PR2

GC1GPGD- Parque das Merendas - serra do Bando

Percurso Homologado - Federação Campismo e Montanhismo de Portugal

O local

6058 - Parque de Merendas do Brejo

Percurso

A “Rota do Brejo e Bando dos Santos”, , percorre e Serra do Bando e as Aldeias em seu redor: Castelo do Mação, Corgas Fundeira e Cimeira e Chão do Brejo (abandonada).

Fazendo do Parque de Merendas do Brejo o seu ponto central, o pedestrianista pode planear o seu percurso em função do que pretender visitar, tendo para o efeito diversas variantes ao percurso longo, que o remetem para um misto de sensações.

Por estes caminhos pode ter contacto com uma biodiversidade singular, assinalável património cultural e também observar relevantes sítios de interesse geológico.

Disfrute das montanhas azuladas!


Património Natural

Por estas paisagens serranas hoje em dia podemos encontrar zonas de pinheiro bravo e eucalipto, pontuado com espécies como o sobreiro, estevas, medronheiro entre outras, arbustos como as urzes, carquejas, lentiscos até à erva-das-sete-sangrias com as suas flores azuis. Dependendo da altura do ano, podemos encontrar várias espécies de bolbos e orquídeas selvagens.

Ao longo do percurso e dependendo da estação do ano o caminheiro poderá ser surpreendido por espécies como a raposa-vermelha, a águia-calçada, texugo, pombo torcaz, borboleta pandora, borboleta azul comum, cotovia arbórea, andorinha das rochas, toutinegra do mato ou mesmo anfíbios como a salamandra-de-fogo. Outros animais poderão passar despercebidos mesmo debaixo do seu nariz como por exemplo a tarântula-ibérica “Lycosa hispânica”.

Mesmo estando num local com grande altitude, a existência de uma lagoa acaba por atrair, aves como o pato real, ou a garça-cinzenta.

No que diz respeito à geodiversidade, poderá observar pistas fósseis em forma de tubos verticais e horizontais, por vezes, sinuosas. No ponto de menor altitude da linha de cumeada do Bando dos Santos ocorrem numerosas dobras com formas diversificadas.

Disseminado nestas litologias ocorrem abundância de fósseis, nomeadamente, graptólitos e moluscos.


Património Cultural

O Património cultural observável neste percurso remonta há dezenas de milhares de anos até época recente. O caminheiro pode observar o importante sítio do Paleolítico Médio da Lagoa do Bando. O sítio situa-se numa bacia de retenção de águas pluviais, alagada a maior parte do ano formando uma lagoa. O sítio é, pelo seu ambiente lacustre e pela altitude, único em todo o Vale do Tejo. No total foram recolhidos 371 artefactos, cuja tecno-tipologia remete ao Paleolítico Médio. Os estudos indicam que seria um sítio de caça e processamento de carcaças, para serem transportadas para outro lugar. Um pouco mais acima, na zona do Miradouro do Bando dos Santos, a 500m de altitude, encontram-se duas cavidades, que constituem o sítio da Buraca da Serpe, que terá sido ocupado desde o Paleolítico, teria complementaridade com o local de caça da Lagoa do Bando. Descendo, começamos a avistar a Ermida de S. Gens. Conta-se que havia um monte, cheio de pinheiros e de matagais que fora atacado por um grande incêndio. O fogo consumiu toda a vegetação, à excepção do cume. Curiosas, algumas pessoas foram até ao cimo do monte para tentarem perceber a razão do sucedido. No local encontraram, numa pequena laje, a imagem de S. Gens, crendo então que, por milagre dele, o incêndio não consumiu aquela parte do monte.
Pegaram na imagem do santo e levaram-na para a Capela de S. Mateus, onde a colocaram. No dia seguinte repararam que o santo tinha desaparecido. Procuraram-no por toda a parte e foram encontra-lo na mesma laje onde fora achado na véspera. Contam os registos paroquiais que com o terramoto de 1755 ficou afectada a Matriz de Mação e os alicerces da Capela de S. Gens, sendo portanto a data da sua construção incerta mas anterior.

Passando a aldeia do Castelo e começando a subir deparamo-nos com a beleza nostálgica das casas Aldeia de Chão do Brejo, atualmente abandonadas, são todas elas construídas por blocos de rochas. Nesta parte do percurso pode deleitar-se com o encanto das levadas do Castelo. As levadas correspondem a um verdadeiro labirinto de canais derivados a partir de um canal principal de escoamento de água. Tem expressão significativa a oriente da povoação do Castelo e são responsáveis pelo transporte de água desde da serra até aos terrenos das vertentes dos vales junto ao Castelo.

PONTO DE PARTIDA:

PARQUE MERENDAS DO BREJO

N 39º 37' 11.219'' W 7º 59' 18.060''

PONTO DE CHEGADA:

PARQUE MERENDAS DO BREJO

N 39º 37' 11.219'' W 7º 59' 18.060''

ÉPOCA DO ANO ACONSELHADA: PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO

Fundo dos links relacionados